quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Delírio - Fever - Maya Banks

Delírio
Autor: Maya Banks
Editora: Leya
Ano Edição: 2013
Número Edição: 1
Páginas: 415
Compre aqui:
*Cultura*Saraiva*Submarino

Sei que estou em falta com o blog, mas a vida anda tão corrida que até dormir tem sido um luxo.
Então, decidi que hoje era dia de falar de Maya Banks.
É uma autora que eu adoro, já li várias séries dela.
Vale lembrar que é uma leitura recomendada a maiores de 18 anos.
Estava ansiosa por esse segundo volume da série desde a Bienal do Rio.
Esses livros não têm saído muito barato, por isso, dependo de uma programação de compras! hehe

A série é composta por:


No primeiro volume conhecemos três amigos bem sucedidos financeiramente e sócios nos negócios: Gabe, Jace e Ash.
Gabe acaba se apaixonando por Mia, irmã de Jace e por aí vai...
No segundo volume, já iniciamos com a cerimônia de noivado de Mia e Gabe. (que fofo!!)
Mas esse livro é dedicado a Jace.
Jace é parceiro de Ash não apenas nos negócios, os dois possuem um estranho hábito de sempre partilhar a cama com a mesma garota.
Quase um vício em menage.
Só que tudo muda quando Jace vê uma moça simples, com ar inocente, trabalhando no noivado de sua irmã.
Bethany tem uma história complicada de vida.
Ficou órfã muito cedo e pulou de casa lar em casa lar, vivenciando todo tipo de violência.
Hoje vive nas ruas e não consegue um emprego fixo, só bicos.
Sua atração por Jace foi instantânea, mas a oferta de dividir-se entre Jace e o charmoso Ash veio em uma hora em que além de atração, havia a necessidades mais imediatas como comida e uma cama para dormir.
Jace estranhamente se sente possessivo com Bethany e não pretende partilha-la com o melhor amigo.
Será a amizade deles forte para suportar essa adversidade?
Bem, essa é a estrutura básica da história.
Maya sempre monta enredos mergulhados em sensualidade e erotismo, mas percebo que ela as vezes exagera no drama e foi o que houve aqui.
Bethany é uma moça simples, mas devia ter aprendido um pouco mais nas ruas, ela se posiciona irritantemente no papel de vítima e acaba fazendo escolhas um tanto equivocadas.
Jace me assustou com o tom meio doentio que assumiu nessa relação, além de exageradamente protetor, ele traz uma conotação estranhamente controladora, stalker mesmo, em relação a moça.
No lugar dela teria corrido léguas de medo.
Eles mal se conheciam e ele já domina todos os aspectos da vida dela.
Terminei a leitura com vontade de saber o que o destino reservará a Ash, mas com o sabor de exageros.
Maya podia ter elaborado melhor alguns trechos.
No entanto, me diverti mesmo assim.
Recomendo aos que apreciam ao gênero.

4 comentários:

Clariana Ceron disse...

É De! eu senti o mesmo, muitas vezes com vontade de bater na Bethany, achei que ela se fazia muito de vitima e o besta caia como um patinho!!! Mas também gostei da leitura me cansando um pouco e demorando um pouco mais pra ler!!!

Cami Rocha disse...

Eu achei o Jace machista DEMAIS. Aquela hora que ele chega e ela está esperando no tapete da sala, dai ele pensa "é assim que um homem merece ser tratado após um dia de trabalho" ou algo do tipo. GENTZZZZZZZZZ hahaah fiquei revoltada.

Concordo com vc do fato do Jace ser louco por controle. Achei que a autora errou na mão nessa parte.

Vc sabe qdo sai a tradução do livro do Ash?

Take care ;D

Denise Ayres disse...

Oiiieee, Cami!

Andei meio atrapalhada com minha vida real e acabei me perdendo sobre as novidades literárias que aparecem no mundo virtual, portanto, não sei te responder sobre o terceiro volume.
Assim que eu souber aviso por aqui!
Sobre Tia Maya perder a mão, como uma boa fã, posso afirmar que é recorrente.
Creio que ela se empolga e pressionada por prazos acaba se atrapalhando. hehe
Mesmo assim me divirto e adoro!

Obrigada pela visita e beijão

Anônimo disse...

Maya Banks é sempre uma boa pedida, né?

Postar um comentário

Comentários preconceituosos e desrespeitosos serão ignorados. Manifeste sua opinião com educação. =)