quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Cartas à mãe: direto do inferno - Lettres à mamam - Ingrid Betancourt, Melanie Betancourt, Lorenzo Betancourt


Cartas à mãe: direto do inferno.
Editora: Agir
Autor: Ingrid Betancourt, Mélanie e Lorenzo Delloye-Betancourt
ISBN: 9788522009107
Ano: 2008
Edição: 1
Número de páginas: 87
Compre aqui:
*Cultura*Saraiva


Vislumbrando os limites da crueldade humana, temos uma realidade ainda ignorada em nossas fronteiras.
As Farc, que nós brasileiros nos abstemos de implicação, impõe atos hediondos de terrorismo ao nosso país vizinho.

Isto, se embrenhando nas matas amazônicas que em muitos momentos são virtuais demais para determinar em qual lado da fronteira fica.
Estima-se que haja três mil pessoas em poder das Farc.
Desde militares, políticos, funcionários públicos e pessoas civis, com vidas comuns.
Ninguém fica impune a violência instituída por essa organização tida como para-militar.
Dentre suas celebridades, uma das mais famosas cativas da organização é Ingrid Betancourt.
Ex-senadora, filha de embaixador, e na ocasião de sua apreensão, candidata a presidência da Colômbia.
Permaneceu cativa por seis anos, em condições precárias, passando pelas mais diversas humilhações e riscos, em condições sub-humanas.
Em um determinado momento, é requerido prova de vida da ex-senadora e essa carta junto com sua resposta dadas pelos filhos foi publicada em forma de relato bárbare e histórico.
Impressionante a força de uma mulher para enfrentar tantas adversidades em prol da sobrevivência.
Alarmante como a instituição do 'sequestro' já é plenamente incorporada a cultura colombiana, tento inclusive, um programa de rádio para recados das famílias aos cativos.
Gritante que isso ocorra tão perto e ao mesmo tempo seja ignorado por tantos governos.
Ingrid e Clara (sua assessora) permaneceram seis anos nessa condição, mas é sabido de pessoas que passam e estão há mais tempo nessa situação.
Assustador e emocionante.
Um livro curto que nos dá a dimensão da sorte que temos em nosso dia à dia.

Um comentário:

Marina Kolling disse...

Como sempre adorei a resenha :) esse e o tipo de historia que deveria ficar so na fixao!!!!

Postar um comentário

Comentários preconceituosos e desrespeitosos serão ignorados. Manifeste sua opinião com educação. =)