domingo, 13 de janeiro de 2013

O jogo do anjo - El juego del ángel - Carlos Ruíz Zafon

O jogo do anjo
Editora: Suma das Letras
Autor: Carlos Ruiz Zafón
ISBN: 9788560280308
Ano: 2008
Edição: 1
Número de páginas: 416
Compre aqui:
*Cultura*Saraiva*Fnac*Americanas
*Submarino


Mais uma resenha da série 'mamãe quem fez'.
Quero começar antecipando que AMO Zafón!

Poucos, raros autores são tão profundos e poéticos quanto Zafón.
Dele já li 'A sombra do vento' e 'O prisioneiro do céu' livros deliciosamente intensos e viciantes.
Estou ansiosa pela leitura de 'O jogo do anjo' e 'Marina' que estão na minha lista de prioridades de leitura há tempos.
Mês que vem, a Suma de Letras lançará 'O príncipe da névoa' e já estou alucinada!
Sou muito gulosa, né?
Leiam um livro de Zafón e passem a me entender!
'O jogo do anjo' é um livro que se passa no mesmo universo que 'A sombra do vento' e 'Prisioneiro do céu', mas é não continuação dessas histórias, inclusive, foi lançado antes de 'O prisioneiro...' que de fato é continuação de 'A sombra...'
Aos 28 anos, desiludido no amor e na vida profissional e gravemente doente, o escritor David vive sozinho num casarão em ruínas. É quando surge em sua vida Andreas Corelli, um estrangeiro que se diz editor de livros. Sua origem exata é um mistério, mas sua fala é suave e sedutora. Ele promete a David muito dinheiro e sua simples aparição parece devolver a saúde ao escritor. Contudo, o que ele pede em troca não é pouco. E o preço real dessa encomenda é o que David precisará descobrir.
Em O Jogo do Anjo, o catalão Carlos Ruiz Zafón explora novamente a Barcelona do início do século XX, cenário de seu grande êxito internacional A Sombra do Vento, que vendeu mais de 10 milhões de exemplares em todo o mundo. Lançado este ano na Espanha, O Jogo do Anjo já ultrapassou a marca de um milhão de exemplares vendidos.

 O jogo do Anjo é um livro que prende o leitor numa profusão de aventuras, mistério e romance. 
Conta a história de David Martin, um escritor do princípio do século, marcado pelo sofrimento de ser único filho de uma família destruída e que luta para sobreviver e vencer inúmeros e misteriosos desafios na vida. 
Sua mãe o abandona quando ainda era pequeno e seu pai é assassinado por engano misteriosamente na porta da Redação do Jornal onde trabalhava como vigia. 
Martin termina sua infância morando em um quartinho no fundo do jornal onde começa a rabiscar seus primeiros contos.
Com a proteção do amigo  Pedro Vidal, começa a escrever  com sucesso  uma coluna do jornal o que desperta a inveja dos colegas. Perdido ele sai do Jornal e cai na armadilha de editores inescrupulosos.
Quando se livra de um contrato avassalador, cai na armadilha do misterioso  Corelli. 
David passa por inúmeros infortúnios e é traído até pelo Vidal que lhe rouba seu grande amor.
O  misterioso editor lhe salva a vida em troca de uma publicação misteriosa onde ele é obrigado a escrever e que no decorrer deste contrato descobre  armadilhas e assassinatos.
O Jogo do Anjo prende o interesse do começo ao fim. 
Entrelaçadas à história de David desenvolve-se outras tantas histórias igualmente cheias de mistérios e fatos impactantes.
Zafón consegue surpreender os leitores, não só pela sua mente criativa, mas por suas “tiradas” filosóficas com a qual seus personagens ganham vida e despertam nossos sentimentos.
A inveja é a religião dos medíocres. Ela os reconforta, responde às angústias que os devoram por dentro. Em última análise, apodrece suas almas, permitindo que justifiquem sua própria mesquinhez e cobiça, até o ponto de pensarem que são virtudes e que as portas do céu se abrirão para os infelizes como eles, que passam pela vida sem deixar outro rastro senão suas toscas tentativas de depreciar os demais, de excluir e, se possível, destruir quem, pelo mero fato de existir, coloca em evidência sua pobreza de espírito, de mente e de valores. Bem-aventurados aqueles para quem os cretinos ladram, pois sua alma nunca lhes pertencerá.

2 comentários:

£ädÿ disse...

Eu fiquei super eletrizada com O Jogo do Anjo também, embora ele não tenha me deixado tão alucinada quanto A Sombra do Vento. O Zafón tem uma mão pra escrever que é uma coisa de louco! O melhor é que ele fala de livros nos livros dele haha <3 adoro essa metalinguagem linda. Tremenda vontade de conhecer o Cemitério dos Livros Esquecidos D:
Beijão!

http://nossosromancesadolescentes.blogspot.com.br/

Lili disse...

É Denise, o livro realmente parece ótimo e gera um desejo pela leitura.
Ansiosa também.

liliescreve.blogspot.com

Postar um comentário

Comentários preconceituosos e desrespeitosos serão ignorados. Manifeste sua opinião com educação. =)