domingo, 2 de dezembro de 2012

Algemas de seda - Jake and Mimi - Frank Baldwin

Algemas de seda
Editora: Geração
Autor: Frank Baldwin
ISBN: 978858131143
Ano: 2012
Edição: 1
Número de páginas: 320
Compre aqui:

Sempre que findamos a leitura de um livro que gostamos muito temos dificuldade de iniciar outro.
Por isso, finalizando 50 tons me joguei de cabeça em 'Algemas de seda' (só não esperava que fosse raso).
Capa linda, proposta de sinopse curiosamente interessante, autor... veremos...
Desde o primeiro momento, é necessário manter a atenção ligada já que a narrativa se faz através dos olhos de três interlocutores: Mimi, Jake e o suposto vilão.
Sem marcação no início do capítulo, a descoberta do interlocutor ocorre no decorrer da leitura.
Mimi (que diabo de nome é esse??) é uma jovem prestes a se casar com o grande amor da sua vida. 
Após seis anos de namoro, é natural que evolua a um noivado/casamento.
Mark foi o único homem que Mimi teve e apesar de terem uma grande cumplicidade, ela sente falta de algo que não sabe nomear.
Aos poucos, se assusta com o interesse que outros homens despertam nela.
Jake é colega de trabalho de Mimi e é designado para auxiliá-la numa tarefa.
Esse jovem tão peculiar guarda um fetiche.
Toda semana ele busca uma mulher na multidão, qualquer uma, a amarra e a leva ao limite do prazer.
Não estamos falando de violência sexual, estamos falando de fetiche, amarrar, vendar, provocar dor/prazer com consentimento.
Jake vê a ingenuidade de Mimi, mas também percebe sua intensa curiosidade.
Então o que ele faz?
A convida a participar como voyeur de suas conquistas sexuais.
Achou bizarro?
Ela aceita e fica assistindo uma a uma das mulheres que ele domina, que ele transpõe as defesas.
Mimi chega a deixar o noivo na cama para atender a uma chamada de voyeurismo.
O terceiro sujeito é um assustador stalker (perseguidor) de nossa Mimi. 
Grampeou o apartamento, acompanha seus passos na rua, guarda fitas e fitas de gravação dela dormindo, namorando, falando ao telefone.
Não é difícil adivinhar onde tudo isso vai nos levar.
Vamos aos pormenores...
Jake deve ser o maior produtor de feromônio da humanidade, afinal, casada, solteira, conhecida, desconhecida, todas, nem precisam de sedução, de um bom papo, de um jantar, elas se rendem só pelo cheiro.
Mimi é uma delas. 
Apesar do casamento 'batendo a porta', sua curiosidade que beira a morbidez a leva a caminhos inimagináveis para alguém de tão parca experiência.
Romance?
Não o notei.
Para mim Jake só precisa de um buraco e se precisava de tanta imobilidade, devia ter recorrido a uma boneca inflável.
A parte sexual então... sem tempero, sem emoção.
Creio que é um dos males das mulheres, sentimos necessidade de associar amor a sexo para criar 'o' clima.
Como o romance não me convenceu, não me envolvi na parte sexual.
Qual mulher se apaixonaria por um homem que assiste transar toda semana com uma mulher diferente?
O final, a parte policial, é estarrecedoramente sem elaboração.
O criminoso é o sujeito mais 'nada a ver com a hora do Brasil'.
O desenlace para a conclusão é absurdamente tola e o final uma lacuna de especulações.
O livro me causou tédio, podia ter ficado sem essa... (devia, para ser precisa).
Mesmo assim, consegui salvar uma quote que achei interessante.
Deus não lhe mostra do que você é feito, isso é trabalho do Diabo.
Sei que muita gente elogiou esse livro e lamento ser do contra, simplesmente não funcionou para mim.
Não posso deixar de informar a precária revisão da Geração Editorial.
Curioso é que todos sempre criticam essa quando se trata da Geração e fiquei impressionada com o desleixo, particularmente, nesse livro.
Foram erros de grafia, de concordância, de estruturação. O gerúndio foi usado tão indiscriminadamente que achei ter sido incorporado a nossa língua.
Vergonhoso e gritante, chegando a atrapalhar o bom andamento da leitura, a nos desconcentrar.
Lamento que minha diva Rachel Gibson esteja com três livros sob o domínio dessa editora!

4 comentários:

Lili disse...

Realmente viciasse nos romances sexuais. Eu já tinha lido por cima alguns comentários desse livro e não tinha me interessado, parece que agora eu consigo ver a explicação pelo qual, mesmo os elogios, não csneguiram me fazer sentir interesse por ele.

E fico muito irritada com revisões medíocres (que esse mês foram comuns nas minhas leituras).

liliescreve.blogspot.com

Livroterapias disse...

Quero muito ler!!!
Beijinhos
Rizia - Livroterapias
livroterapias.blogspot.com.br

Jaqueline Sant'ana disse...

Adorei a sinceridade da resenha, Denise! Desanimei e comecei a ler outro livro antes do "Algemas...". O que você falou sobre a revisão porca da Geração me deixou com ainda mais preguiça de tirá-lo da estante...

Um beijo,

Jaqueline
www.up-brasil.com

Bruna Britti disse...

"Para mim Jake só precisa de um buraco e se precisava de tanta imobilidade, devia ter recorrido a uma boneca inflável."

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHA

É por isso que gostei de 50 Tons. Acho ele mais romântico do que erótico, não curto mto leitura só sexo pelo sexo (ainda assim acho que o Bem Profundo se sai melhor do que esse Algemas de Seda, nesse quesito). Se joga na depressão pós Grey amiga :((

Postar um comentário

Comentários preconceituosos e desrespeitosos serão ignorados. Manifeste sua opinião com educação. =)