sábado, 12 de maio de 2012

Um homem de sorte - The lucky one - Nicholas Sparks

Um homem de sorte - The lucky one - Nicholas Sparks
Editora: Novo Conceito 
Autor: NICHOLAS SPARKS 
Ano: 2011 
Edição: 1 
Número de páginas: 352
Compre aqui:
*Cultura*Saraiva*Fnac

Com o lançamento nos cinemas (e devido um trailer muito bem executado), pulei a fila de livros e li o exemplar do paparicado Nicholas Sparks.
Já tinha lido dele "A última música" e foi uma experiência tão intensa que achei que fosse desidratar.
Desde então, sempre olhei os livros do Sr Sparks com respeito e cuidado.
Logan Thibault é um fuzileiro enviado a guerra do Iraque que um dia, ao acaso, encontra uma foto no meio do nada.
Seu primeiro movimento foi de jogar fora a fotografia, mas repensa e decide expor a foto no mural do batalhão, para que, assim, o dono a encontre.
Semanas mais tarde, ele observa que a foto se mantém no mesmo lugar e resolve colocá-la no bolso.
Nesse mesmo dia, contrariando sua má sorte no poker, ele participa de uma mão de jogatina e ganha.
Victor, seu amigo supersticioso, atribui à foto essa vitória.
Vários episódios de 'quase' morte depois, reforçam a crença de Victor que a foto está protegendo Logan.
Victor sempre afirma que Logan tem uma dívida com a moça da foto, ela sempre o salva e ele teria que retribuir o favor um dia, para manter o 'equilíbrio do universo'.
Logan volta para casa e decide investigar.
A foto não traz grandes informações, ele identifica a região e uma escola próxima do que pode ser o local da foto.
Logan pega seu pastor alemão, Zeus, e atravessa o país caminhando.
Depois de meses de caminhada, Logan conhece Elizabeth, a moça da foto, e sem revelar sua história se propõe a trabalhar para ela e sua avó (a doce Nana) em seu canil.
A bem da verdade é que Logan não sabe o que está fazendo ali, mas com sintomas de stress pós-traumático e sem saber o rumo que daria a sua vida, ele acaba ficando.
Elizabeth, mais conhecida por Beth, é divorciada do playboy/policial/contraventor Cayton, com ele teve um filho chamado Ben que está na casa dos dez anos.
Logan observa a vida...
Percebe que Ben é uma criança excepcional e que Beth é constantemente sabotada por seu ex sem saber.
Ben não se dá bem com o pai e suas visitas quinzenais são uma tortura.
Beth não engrena um relacionamento e enquanto imagina qual 'monstruoso' defeito tem, seu ex-marido Clayton persegue os pretendentes.
Nana é mais perspicaz, não suporta Clayton, desconfia de cada ação dele e vê em Logan um futuro para sua neta. Assim, ela dá vários incentivos para que o inevitável ocorra.
Parafraseando Nana, dois jovens bonitos disponíveis... teria que dar em romance, né?
Temos dois pontos de tensão:
1- Logan não revelou suas intenções de estar na cidade e qualquer pessoa acharia bizarro um homem perseguir uma mulher de uma foto encontrada no Iraque.
2- Logan e Cayton... várias contas a acertar.
Bem, o drama está montado.
Adorei o livro. 
Sparks sabe narrar com maestria um bom dramalhão.
Todos as arestas estão bem amarradas e construídas nessa trama.
Já o filme...
Terminei o livro na segunda e fui na terça conferir se o trailer fazia jus ao filme.
Seguinte, enquanto eu lia o livro, pensava "bahhh!! Isso vai ficar irado no filme".
Pois é... só fiquei no pensamento. O filme é fraco, para não dizer medíocre.
Beth é interpretada como uma mulher insegura, frágil, manipulada e chantageada constantemente (coisa que não localizei no livro, ao contrário ela desafia Clayton sempre). 
Logan no livro é introspectivo, extremamente racional, já no filme ele é inexpressivo. 
Perdoem-me meninas, Zac Efron é um gato, mas um pouco mais de estudo ajudaria ele a se consolidar como ator, por enquanto ele é só 'uma cara e um corpinho maravilhoso' (aliás, põe maravilhoso aí! *abana).
Não localizei em sua mediana atuação, quando ele estava feliz, triste, preocupado ou qualquer outra coisa. 
Talvez, cientes dessa limitação, a direção do filme optou por cenas pra lá de calientes, sem mencionar o suspense (ele vai ou não tirar a camisa???).
Zac tem mais um problema ao assumir esse papel.
Sparks marca bem que, apesar de jovem, as longas exposições ao sol, a guerra e a situações limítrofes envelheceram o protagonista - algo que vai em discordância a suave cútis do sr Efron. Até o guri, Ben, não tem a mesma idade que no livro e no filme se dá super bem com  pai!
Ainda bem que escolheram um pastor alemão para o papel de Zeus!!
Ficamos assim: livro bom, filme, não!
Fui ao cinema com minha mãe, Julianna, Rach e Gabe.
Infelizmente tenho que assumir a culpa.
Rach e Gabe, que estavam ao meu lado, acabaram não gostando do filme enquanto, mamy's e Jú - que estavam nas pontas - adoraram, foram minhas bufadas de indignação??



Ps: Estou sorteando "Um homem de sorte" aqui no blog, não deixe de participar!

3 comentários:

Vanessa Vieira disse...

Parabéns pela resenha Denise! Estou ansiosa para ler Um Homem de Sorte! Beijos!

Lua Azul Acessórios disse...

Amei o filme! Mas é claro que o livro deve superar e muito. Quero ler o livro tão logo termine o que estou lendo. A história é linda e o livro, depois de ler esta resenha, feita com tantos cuidade por Denise, me convenceu que o livro realmente deve ser maravilhoso. Bjos.

agnes disse...

eu adoro os dramas do nicholas, e desde que tinha terminado o livro (adorei!) fiquei esperando o lançamento do filme..

concordo com você: ó filminho medíocre! eles mudaram muitas coisas (pequenas ou não), inclusive a personalidade dos próprios personagens! e o zeus, coitado, tão importante no livro.. é um mero cachorro no filme. sem falar no zac efron... falando sério, aquele modelo que tá na capa do livro seria bem melhor pro papel, mesmo que entrasse mudo e saísse calado hahaha

beijos!

rascunhoseborroes.blogspot.com.br

Postar um comentário

Comentários preconceituosos e desrespeitosos serão ignorados. Manifeste sua opinião com educação. =)